Equipe

busca intervir no lugar onde vivemos: dedica-se à criação de espaços verdes em ambientes urbanos. A iniciativa nasce em 2009, em contato com a concepção de agrofloresta e com a ideia de retomar suas técnicas na cidade. Sua equipe é composta por pessoas com experiência e amplo interesse nos saberes mobilizados pela agroecologia e pela bioconstrução: técnicas que permitem a constituição de pequenos núcleos vivos e advêm de práticas orientadas pelo respeito à vida e aos seus ciclos. É em contato com essa potência e suas contingências que a equipe Sumaúma evolui e se modifica. O processo de criação e o resultado de cada intervenção é igualmente vivo.

Coquinho, ‘o biólogo’

Fernando, ‘o artista’

Riccardo, ‘o jardineiro’

Tendo hoje o sesc-Campinas como um dos principais parceiros, se lança em diversas direções: jardins verticais, jardins de trama atlântica e jardins dos sabores são técnicas centrais para a iniciativa; micro irrigação, orquidário e manejo de orquídeas, hortas, canteiros circulares, oficinas de jardinagem e agroecologia são outros dos serviços oferecidos. A restauração de praças públicas, transformá-las em pequenos pedaços de floresta, é um desejo.

Raízes firmes, os galhos são muitos. Cada vez mais cresce.

As aspirações da iniciativa se inscrevem também por meio de seu nome: chamam sumaúma árvores da família Malvaceae. No Brasil, as paineiras talvez sejam a referência mais comum; já como mafueirasumaúma está presente América Central e no norte da América do Sul. É sagrada na mitologia Maia. Na Amazônia, etnias indígenas conhecem-na como “mãe-das-árvores”; forte, exuberante, suas raízes muitas vezes formam grandes compartimentos e oferecem um lugar onde viver.

Sumaúma

Paisagismo Natural

Site desenhado e construído pela Preface design, com textos de Patrícia Leme.