Jardim vertical

A vida urbana é veloz em seu progresso. Quanto mais avança, mais acumula sobre os seres humanos os efeitos desse modo de existir: o tempo é escasso e não deve ser gasto com leviandades, os prazeres são imediatos e à mão, o bem-estar está à venda.

As residências os traduzem, como sintomas das afetações contemporâneas: construções se protegem do mundo, os espaços se amiúdam, o ar seca, tonalidades se conformam à paleta de tinta. A uma existência árida, artificial, oferece outra via que não a do ar-condicionado, dos objetos de decoração, do vaso solitário no canto da sala. Um jardim que acolhe sua época sem se resignar a suas imposições. Um jardim vertical.

A parede verde é uma interrupção. A lógica do mundo não mais dita as normas da casa. O artifício encontra a natureza.

Em um jardim vertical a combinação de plantas integra-se à arquitetura – na parede, no muro, na sacada o verde cresce, compõe a perspectiva, altera o ambiente.

As possibilidades são muitas e sua aplicação é contingencial: o tamanho da parede, ambiente interno ou externo, a quantidade de luz que o local recebe, as condições estruturais da construção — esses e outros fatores traçam as margens do projeto; central e igualmente importante é o desejo dos que ali habitam.

De grande efeito ornamental, samambaias, bromélias, vedélias, orquídeas e tantas outras plantas trazem conforto térmico, purificam e umedecem o ar. Alojá-las de modo a permitir que a vida siga seu ciclo é a tarefa de , cuja cuidadosa seleção de espécies e sistema de irrigação possibilita ao jardim um desenvolvimento natural.

Sumaúma

Paisagismo Natural

Site desenhado e construído pela Preface design, com textos de Patrícia Leme.